Cultura!

Cultura!

OBJECTIVOS

Estes textos são uma mera justificação de gosto, dirigida em primeiro lugar aos amigos, e não são crítica de cinema, muito menos de teatro ou arte em geral... Nos últimos tempos são maioritariamente meros comentários que fiz, publicados principalmente no facebook ou no correio electrónico, sempre a pensar em primeiro lugar nos amigos que eventualmente os leiam.
Gostaria muito de re-escrever os textos, aprofundando as opiniões, mas o tempo vai-me faltando...
As minhas estrelas (de 1 a 5), quando as houver, apenas representam o meu gosto em relação à obra em causa, e nunca uma apreciação global da sua qualidade, para a qual não me sinto com competência, além da subjectividade inerente. Gostaria de ver tudo o que vale a pena, mas também não tenho tempo...

quarta-feira, 19 de julho de 2017

TREBLINKA, de Sérgio Tréfaut



TREBLINKA, de Sérgio Tréfaut

Ninguém deveria deixar de ver esta obra agora estreada em sala (Finalmente!!! Mas porquê só agora e em tempo de férias?!), já multipremiada, em Portugal (no Festival Indie 2016) e no estrangeiro.

Um documento importante sobre o nazifascismo, os seus campos de extermínio e o assassinato de milhões de pessoas, através dos relatos de alguns dos seus poucos sobreviventes.
Um dos testemunhos é de Marceline Loridan-Ivens, cineasta e escritora, companheira de Joris Ivens, famoso cineasta, antifascista e acompanhante empenhado de algumas das revoluções socialistas do Século XX. Curiosamente é lhe atribuída nesta obra uma frase que é a mais polémica do filme uma vez que, fora do contexto e admitindo que terá sido bem traduzida, poderá prestar-se a grandes equívocos: refere a ideologia e a religião, como se fossem males.

Ao contrário, penso, o homem como o animal mais inteligente que conhecemos tem no entanto na Ideologia o melhor (ou o pior) de si, porque as ideologias podem ser a favor do Homem ou contra ele. Mas sem elas, as que defendem o progresso e a justiça, o Homem não teria futuro.
Para nós, portugueses, que sobrevivemos à longa noite fascista, de Salazar e seus acólitos e com a Igreja Católica como apoiante, este filme tem um particular significado. É que essa gente que oprimiu o nosso País durante quase meio século, foi apoiante deste nazismo, fonte dos terríveis e quase inimagináveis horrores que a obra descreve pelo relato de alguns que lhes sobreviveram. 

Neste início do Século XXI é inquietante todavia verificar que as ideologias fascistas e nazis renasceram dos escombros e já surgem no poder no leste europeu, nomeadamente na Ucrânia! E até na própria França crescem, ainda que camufladas, principalmente nas frentes fascistas da marine le pen. E a extrema-direita chegou ao poder nos EUA (trump)... 

Os que amam a Paz e o Progresso para os Povos não podem dormir descansados. A luta vai ter que continuar. E o papel da Ideologia assume, como sempre, particular importância.



A nossa grande actriz Isabel Ruth, na imagem, dá corpo e rosto às sobreviventes do holocausto nazi em que pereceram milhões de pessoas, sistemáticamente eliminadas, por ódio racial (os judeus, principalmente), por perseguição política (os comunistas, em primeiro lugar)! 

Nos tempos que correm é para nós muito doloroso ver como alguns dos descendentes das muitas vítimas de ontem (as de ascendência judaica, como muitos de nós)  se tornam em algozes hoje (do mártir povo palestiniano, vítima da ocupação do seu país e de um novo genocídio cometido por sucessivos governos israelitas). E quanto se levantam vozes a protestar e a propor uma solução de Paz para a Palestina, são brutalmente eliminadas, como o Presidente Isaac Rabin, assassinado por um militante sionista de extrema direita, quando decorriam encontros para a Paz, entre representantes dos dois povos.


Na imagem algumas das obras que é indispensável conhecer, como as que falam do apoio do fascista salazar ao nazi hitler e seus aliados, com envio de matérias primas e géneros, roubadas ao povo português e de como foi o governo fascista português recompensado pelos nazis, com a entrega de parte do ouro retirado às vítimas assassinadas nos fornos crematórios nazis. TREBLINKA era um deles, na Polónia ocupada.


segunda-feira, 17 de julho de 2017

34º FESTIVAL DE TEATRO DE ALMADA



NOTAS DE UM MUITO MODESTO ESPECTADOR DE FESTIVAL

Depois de GOLEM - espectáculo audio-visual, com actores e músicos reais, muito interessante, pertinente nota de alarme sobre os efeitos das modernas tecnologias na vida dos humanos, a merecer comentário e reflexão, 



veio o VANGELO (Evangelho), de Pippo Delbono - muito pessoal, como de resto toda a sua obra, muito discutível por vezes, mas o que mais apreciamos nele e nos faz simpatizar com o seu autor, é o brado de revolta que ele transmite contra o papel negativo das religiões nas discriminações sociais, no racismo em particular, desde as cruzadas, passando pela inquisição (ver a cena quase final dos jurados ou juízes encapuçados, que também lembra o ku-klux-klan (que são religiosos, também)) e pelos nazi-fascismos (também católicos). 

Delbonno não se esqueceu de referir a questão actual e fundamental dos milhões de refugiados das guerras que o imperialismo tem desencadeado já no século XXI, milhões de seres humanos que fogem dos seus países que foram e estão a ser atacados, invadidos e fortemente destruídos pelas forças imperialistas da NATO e da UE, e que os países das forças invasoras desprezam e não querem receber, expulsando-os ou deixando-os perecer. Sempre com políticos religiosos, em geral católicos - marine le pen, trump, etc, à frente dos mais radicais contra o apoio aos refugiados.



Mas HEDDA GABLER, de Ibsen, encenado pela actriz e encenadora norueguesa, Juni Dahr, espectáculo de honra vindo do ano passado, admiravelmente encenado e interpretado, continua bem no topo das preferências (minhas, obviamente).




E ainda no festival deste ano não esquecer, dentro das Artes de Palco, o magnífico "A PERNA ESQUERDA DE TCHAIKOVSKI", misto de dança e teatro. 




Mas ainda irei à procura de ver mais qualquer coisa que me interesse, que pode ser um espectáculo muito simples mas que contenha aquela às vezes indefinível magia que tanto nos faz gostar do teatro, mas que às vezes não é fácil de encontrar.


(Texto baseado em minha nota de facebook, mas tenciono escrever um pouco mais sobre GOLEM e VANGELO)

ADENDA sobre VANGELO, de Pippo Delbono

Em resposta a um comentário de um amigo:


"Agora julgo ter percebido melhor a tua opinião... posso rir? Mas já que me perguntas: para mim as religiões, ou melhor, a católica, é de facto acusada (neste Vangelo) de um sem número de crimes, o que os católicos não devem apreciar (mas não os cometeu?). Nisso estou de acordo com o autor. 
O que achei acima de tudo discutível é que Delbono nunca se aproximou de uma resposta progressista, que não é obviamente um Jesus Cristo Superstar, por muito que eu admire o homem bom e rebelde que julgo ter sido, como o descreveu aliás o Pier Paolo Pasolini (também citado por Pippo Delbono), num dos seus mais belos filmes, esse outro Vangelo mas segundo Mateus. 
Lamento também que no final ele tenha posto a figura da Mãe, num leito de hospital, no fim da vida portanto, parecendo-me a mim uma representação do Buda, religião que Delbono seguiu e julgo que continua, mas cujos representantes máximos (Dalai Lama) também deixam muito a desejar... Todavia pareceu-me a obra, com todas as suas limitações, e ambiguidade, um discurso sincero de alguém revoltado e até ferido com o comportamento das igrejas, nomeadamente a católica. Mas não será esta a mais culpada de todas? 
São quase comoventes os momentos em que leva, fraternalmente, os actores que lhe são muito caros e o têm acompanhado ao longo da carreira- Bobó e o que representa Cristo, num símbolo óbvio daqueles que a sociedade burguesa despreza e até quer destruir se puder (no fascismo). Por agora fico para aqui mas prometo escrever o texto, talvez no blogue para quem quiser ler... Abração

A PERNA ESQUERDA DE TCHAIKOVSKI, de Tiago Rodrigues para a CNB




A PERNA ESQUERDA DE TCHAIKOVSKI

Sabemos como as Artes de Palco são efémeras, embora haja o recurso, menor, da gravação. Mas quando acontecem maravilhas de representação que nos dão muito prazer ficam para sempre na memória. 

É o caso, deste duo, Barbara Hruskova, a bailarina e a actriz, brilhante nos dois papéis, e Mário Laginha, o músico excepcional e participante inesperado no pas-de-deux, Não esquecendo obviamente, o Tiago Rodrigues, autor do espectáculo. 

Não foi por acaso que a enorme plateia, em geral exigente (e já houve pateada este ano...) do TMJB se levantou, como se fosse impelida por molas, para aplaudir de pé. 

Quando lembrarmos a 34ª edição do Festival de Teatro de Almada, este será um dos momentos que virá imediatamente à memória, tal como esse outro momento mágico de grande teatro que é a Hedda Gabler, da Juni Dahr e seus companheiros. 





SANSHÔ DAYÚ (O Intendente Sancho), de Kenji Mizoguchi


Mais uma obra-prima absoluta de Kenji Mizoguchi, o grande cineasta japonês e do seu argumentista, Yoshikata Yoda. 

Embora a historia se passe no Japão medieval, foi realizada em 1954, fazendo pensar nos campos de concentração do nazi-fascismo, na Alemanha, e países ocupados, e no Japão. O intendente Sanshô, pela sua crueldade parece baseado nas sinistras figuras que dirigiram esses campos sem a mais pequena réstea de humanidade. Acabam no entanto por escapar com vida devido à ausência de ódio revanchista das suas vítimas. 

Comovente e admirável tem, como quase sempre nas obras do grande realizador nipónico, principalmente quando teve como colaborador Yoshikata Yoda, o povo sofredor e explorado como personagem principal.

Mostra o sofrimento de um povo sujeito à escravatura nas propriedades privadas das grandes casas senhoriais do Japão imperial. 

Sobre esta obra escreveu João Bénard da Costa, o antigo director da Cinemateca Portuguesa, e não obstante a sua condição de intelectual católico, embora nalguns aspectos progressista, talvez o mais belo texto que lhe conheço. 

Se puderem tentem ver (ou rever) esta obra extraordinária, também no aspecto puramente de linguagem, que Benard diz que nunca conseguiu ver, apesar de a ter visto muitas vezes, sem chorar. É de facto difícil porque comovente.

(texto baseado na minha nótula facebookiana)










RUA DE CANTIGAS



Aos Amigos do Intervalo Grupo de Teatro já não preciso de dizer nada porque eles já sabem como esta companhia sempre nos surpreende pela qualidade, sem nunca ceder ao gosto populista ou ao mau gosto.

Surpresa também pelos talentos revelados em alguns actores, que nunca pensámos que fossem capazes de cantar tão bem. É um enorme prazer ir do fantástico Kurt Weil / Bertold Brecht, passando pelos maravilhosos versos de Ary dos Santos (Os Putos) ou Viriato da Cruz (Namoro, com música de Rui Mingas) até ao actual Desfado (Ana Moura), para só citar alguns dos muitos momentos magníficos desta representação/actuação.

Aos outros, amigos do facebook: experimentem e vão ver que ficam Amigos para sempre, como nós!

(texto facebook)


terça-feira, 4 de julho de 2017

PATERSON, de JIM JARMUSCH



PATERSON, de Jim Jarmusch (nascido em 22-Jan-1953, Akron, Ohio)


É uma obra de uma simplicidade tocante, passada em Paterson, New Jersey, em que o personagem principal, também chamado Paterson (magnífica interpretação de Adam Driver (1983, San Diego, Califórnia), intérprete do cinema independente, em "Frances Ha" (2012) e "Enquanto Somos Jovens" (2014), obras de Noah Baumbach, de que gostámos muito) é um motorista de autocarro que gosta de poesia e ele próprio escreve. 

O filme fala do quotidiano de Paterson e da sua mulher, Laura (a extraordinária Golshifteh Farahani, actriz iraniana, nascida em 1983, Teerão), dos pequenos incidentes do dia a dia, que Paterson transforma em poesia, que escreve no seu diário, em todos os momentos vagos e Laura adora, e Jarmusch nos oferece, para ler e ouvir (excelente ideia!). 

Jarmusch fez do seu filme também uma obra poética, que nos fascina pela sua beleza. Mas é uma visão idílica, num país que o é muito pouco, assolado pela exploração, pela violência, pelo crime, pela corrupção e por um povo que não deixam ser culto, que ignora a poesia e nunca ouviu falar em Allen Ginsberg (1926-1977) e muito menos em William Carlos Williams (1883-1963). Paterson não tem nem quer ter telemóvel, embora ironicamente acabe por aceitar um de uma jovem passageira para avisar a central que o autocarro que conduzia avariou, o que mostra quão difícil é recusar a utilização da informática que nos envolve nesta sociedade dita civilizada...

E há um bulldog, Marvin (Nellie), terrivelmente ciumento, que vai originar um dos momentos dramáticos da obra (que não vou contar), mas que nos faz sorrir um pouco amargamente, a quem aliás Jarmusch dedicará também a obra porque o cão actor faleceu inesperadamente durante o Festival de Cannes de 2016, onde a obra foi exibida, sem grande sucesso de critica mas sim de público. Marvin ganharia aliás o prémio do Festival, que alguns críticos acham ridículo, dedicado ao papel canino mais simpático (não sei quem vota...)

E mais uma série de personagens que Paterson vai conhecendo, incluindo as do bar por onde passa todas as noites, durante o passeio, obrigatório, com Marvin, o pacífico bulldog. E também um japonês, amante da poesia, que fechará o filme, com uma prenda simbólica a Paterson.

Recomendo a visão deste filme a todos os que amam a Poesia e aos amigos poetas facebookianos! Eu gostei!

(publicado no facebook em 3-Jul-2017)